Início do Conteúdo

Notícias

Audiogames: jogos acessíveis para pessoas com deficiência visual

Anderson Dall Agnol
Rapaz com óculos escuro utilizando celular com fone de ouvido. Na imagem está escrito Audiogames.

Os games ou jogos há tempos conquistaram um espaço especial na vida de muitas pessoas, seja através do videogame, computador, tablet ou smartphone, para diversão, aliviar o stress ou aprender algo novo. Mas você já se perguntou como jogaria se não pudesse utilizar a sua visão?

Pois é, talvez você ache impossível já que a maioria dos jogos é extremamente visual, mas é assim que pessoas com deficiência visual jogam. E como elas jogam se não enxergam a interface gráfica? 

A resposta está nos audiogames, que são jogos com ou sem a interface gráfica, que se utilizam de recursos sonoros para proporcionar a imersão dos jogadores, orientando as ações que eles devem realizar. Assim, guiados por sons, os jogadores imaginam as situações e tomam decisões sobre que ações e direções devem seguir. 

Dependendo do seu objetivo, esses jogos pode utilizar sonorização simples, que indica através de sons apenas uma ação e reação por vez, ou holofônica (tridimensional), que proporciona a sensação de som em três dimensões (3D) ou 360° (vídeo com demonstração de sons holofônicos). O objetivo dos sons é fornecer ao jogador informações sobre locais, direções, obstáculos e inimigos que estão em sua volta. 

Exemplo de jogo com sonorização simples:

Exemplos de jogos com sonorização holofônica ou 3D:

Existem jogos que, além da sonorização, incluem orientações sonoras através de um narrador, que pode fornecer a lista de opções, direções e ações que podem ser realizadas pelo usuário dentro do contexto do jogo.  

Exemplos de jogos com narrador:

Os audiogames estão disponíveis para consoles, computadores e dispositivos móveis. Graças às características de cada plataforma, os desenvolvedores conseguem criar títulos de diversos gêneros e estilos de jogabilidade. No entanto, quando se fala em jogos acessíveis para usuários com deficiência visual, é preciso lembrar alguns pontos cruciais, como por exemplo, a implementação de recursos sonoros que tragam uma experiência realmente imersiva, promover a compatibilidade desses jogos com leitores de tela e navegação por meio do teclado, utilizar boas relações de contrastes (para baixa visão), disponibilizar configurações que permitam que cada jogador possa alterar preferências conforme suas necessidades (volume, teclas de controle, relação de cores, etc.), dentre outros cuidados. 

Há muito para ser desenvolvido ainda no campo dos jogos com acessibilidade, ficando a critério de cada desenvolvedor explorar sua criatividade para trazer novidades aos jogadores com deficiência visual. Um dos desafios para os desenvolvedores é construir jogos que ofereçam tanto interfaces gráficas atraentes quanto recursos sonoros suficientes, permitindo, assim, que pessoas com e sem deficiência visual possam jogar juntas

A equipe do CTA desenvolveu alguns jogos acessíveis, pensando em atender às diferentes necessidades dos usuários. Um deles é o jogo “As Aventuras de Joca Valente”, que consiste em um simulador para auxiliar na reabilitação de pessoas com deficiência visual. Para entender o funcionamento do simulador, assista ao vídeo “As aventuras de Joca Valente”.

Final do Conteúdo Voltar ao topo
Início do Rodapé Final do Rodapé